(51) 3233-3804   (51) 99355-4456   libretos@libretos.com.br
Rhinocerus
9788555490163
21 x 16 cm
280 páginas
1ª edição - 2016

Design Gráfico:
Clô Barcellos

Categorias Relacionadas:

Rhinocerus

gravura, palavra, imaginário - Druckgrafik, wort, imagination

Marina Ludemann, Clô Barcellos, Helena Kanaan , Luciana Waquil, Marina Waquil, Ralf Krämer


Organizador: Helena Kanaan

R$ 35,00


Simular o frete

Nenhuma imagem de um animal exerceu tão profunda influência nas artes como Rhinocerus. A gravura de Albrecht Dürer criada há 500 anos espalhou-se pelo mundo e ganhou autonomia, sendo intensamente reproduzida. Que efeitos esta gravura exerce sobre o imaginário universal? Que relações contemporâneas podem ser apontadas?

Neste livro, constam palestras e obras que dialogam sobre a multiplicidade de experiências apresentadas no Seminário Gravura, Palavra, Imaginário: 500 anos de Ganda e Mostra Deambulações: Entre Gravuras e Rinocerontes, organizados a partir de inquietações oriundas do Núcleo de Arte Impressa do Instituto de Artes da UFRGS, que, em parceria com o Goethe-Institut, contempla vertentes com a contemporaneidade em uma deambulação pelos diferentes conceitos do gravar e do imprimir.

Edição bilíngue (alemão/português)

A obra traz também, nas abas, um jogo de memória, desenvolvido pelo Nai/IA/Ufrgs, que o leitor poderá recortar.

 



  • Marina Ludemann

    Livros



    Clô Barcellos

    Clô Barcellos é jornalista (PUC/RS), designer (ULBRA) e artista plástica (UFRGS). Atua desde 1982 na área de design editorial , tendo acumulado experiências no desenvolvimento e coordenação do design das revistas
    Amanhã e Aplauso, além de diversas outras publicações da Editora Plural Comunicações durante seis anos.
    Desde 1996, dirige sua própria empresa, com dois canais de atuação: a Libretos Comunicação e a Libretos Editora. Através de sua editora, editou e produziu design para mais de 100 títulos próprios. O catálogo ativo
    completo da editora está em www.libretos.com.br. Através da Libretos Design Gráfico, desenhou e finalizou diversas publicações dentre os colecionáveis de Zero Hora, posteriormente, RBS
    Publicações. Alguns exemplos: História Ilustrada de Porto Alegre ; História Ilustrada do Rio Grande do Sul;Os Farrapos foi selecionado na III Bienal de Design Gráfico da Associação dos Designers Gráficos /ADG e premiado com Troféu Açorianos de Literatura 2002, categoria Projeto Gráfico;Felipão, a alma do Penta, com design adquirido em Portugal em edição portuguesa;Brasil nas copas, a história da Copa do Mundo com
    destaque para a participação dos gaúchos; Astrologia, o cosmos e você (premiado com Prêmio Açorianos de Literatura 2004, categoria Projeto Gráfico); 50 anos do Margs (Museu de Artes do Rio Grande do Sul), Prêmio
    Açorianos de Literatura, categoria Projeto Gráfico e Prêmio Bornancini /I Salão Apdesign, categoria design editorial, também em 2006. Para o

    Ministério da Educação, realizou Cadernos do Mec, revista sobre a educação básica brasileira, de circulação nacional. Para o Ministério do Desenvolvimento Agrário, desenvolveu o projeto gráfico e a edição de imagens do livro Retratos do Brasil Rural (2006) e o projeto da revista Terra da Gente. Para Já Editores, desenvolveu e executou o projeto do livro Protásio Alves e o Seu Tempo, de Maria do Carmo Campo e Martha Geralda Alves
    D´Azevedo. Para a Copesul e Já Editores, desenhou o livro Carlos Reverbel , textos escolhidos, com organização de Elmar Bones e Claudia Laitano. Para a Fundação Thiago Gonzaga/Vida Urgente criou e desenho os livros Gente Vida, coletânea de diversos autores gaúchos sobre a vida, e o livro Thiago
    Gonzaga, histórias de uma vida urgente. Alguns de seus diversos clientes: Conselho Regional de Psicologia, Jornal O Povo de Cachoeira do Sul, Mahatma Comunicação, MDA, Vivo, Amigos da Terra, MDA, MinC, MMA, MEC, Secretaria de Cultura da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.Realizou os projetos das exposições Ainda Cabe Minha Aldeia no Mundo?, com fotos de Marco Nedeff e curadoria de Cristine Loff, na Caixa Cultura de Brasília, e Noites de Filó, também de Marco Nedeff, vencedora do edital do Fundo de Apoio à Cultura, no
    Memorial do RS. Na Assembleia Legislativa do RS, produziu a exposição de capas do Coojornal, Um Jornal de Jornalistas Sob Regime Militar, no Vestíbulo Nobre Erico Veríssimo. De 2012 a 2016, atuou como vice-presidente do Clube dos Editores do RS. No Clube, criou a 1ª Festa da Leitura do Clube dos Editores, e coordenou a produção do evento, que reuniu em 2012, no Mercado Público, 10 mil pessoas dentre crianças, jovens e adultos, em atividades de Mediação de Leitura, com apresentações gratuitas e oficinas de contação, minicontos dentre outras.

    Realizou também a 2ª Festa da Leitura, na Usina do Gasômetro, que reuniu 20 mil pessoas, nos mesmos moldes. Também pelo Clube dos Editores, coordenou a realização de seis edições do Seminário Anual O Negócio do Livro, em parceria com o Goethe Institut, das quais participaram diversos profissionais em destaque no setor do Livro e Leitura, tanto na produção quanto na circulação e as mais diversas etapas
    que envolvem o Negócio do Livro.

    Livros



    Helena Kanaan

    Livros



    Luciana Waquil

    Livros



    Marina Waquil

    Livros



    Ralf Krämer

    Livros



  • Rhinocerus
    Rhinocerus
    Rhinocerus
    Rhinocerus
    Rhinocerus
    Rhinocerus
    Rhinocerus
    Rhinocerus
  • A xilogravura Rhinocerus, a qual é foco de nossos estudos, entre outras importantes referências renascentistas da arte gráfica alemã, teve origem na chegada de um rinoceronte vivo na Europa, em 1515, o que não acontecia desde o século III. A chegada de Ganda a Portugal, como um exótico presente do sultão Muzafar II ao rei Dom Manoel I, causou muita agitação e curiosidade, devido, sobretudo, à sua aparência: enorme, pesado, com chifre, pele escura endurecida e com manchas salpicadas.
    Albrecht Dürer não conheceu o paquiderme. Ele fez a gravura baseando-se em uma carta que foi enviada de Portugal a um amigo que vivia em Nürenberg, a mesma cidade do artista. A mensagem que chegou até ele continha um esboço e uma rápida descrição do rinoceronte: Em maio de 1515, depois do nascimento de Cristo, trouxeram ao poderosíssimo Rei de Portugal, Manuel, em Lisboa, vindo da Índia, um animal vivo chamado rinoceronte. Aqui se encontra desenhada toda a sua figura. Tem a cor de uma tartaruga salpicada, é enormemente maciço e coberto de escamas. E do tamanho de um elefante, mas mais baixo, e muitíssimo capaz de se defender. Na parte anterior do focinho tem um corno aguçado e forte, que afia logo que se encontre ao pé de pedras. O abrutalhado animal é inimigo mortal do elefante, que lhe tem um medo tremendo. Quando se aproxima, corre o animal metendo a cabeça entre as patas dianteiras do elefante, do que se não pode defender, por o animal estar tão bem armado que o elefante nada pode fazer; rasga e abre-lhe a barriga, dando cabo dele. Dizem também que o rinoceronte é lesto, alegre e manhoso. (Tradução aproximada da legenda que aparece originalmente em alemão na parte superior da xilogravura de Albrecht Dürer. Houve 9 edições com variantes no cabeçalho. Kurth, 1927, p. 35).

    Desse esboço e narrativa, Dürer imaginou e gravou Ganda para posteridade. Já impressa, a imagem que mede apenas 21,4 x 29,8 cm (exemplar da 1ª edição encontra-se no British Museum/Londres) se espalhou rapidamente e ganhou autonomia, sendo posteriormente reproduzida em muitos livros. Durante dois séculos, as publicações em livros de História Natural serviram como fonte para estudos de zoologia, apesar das muitas incorreções na representação científica. A intensidade se dá justamente pelo modo como a transmissão de um acontecimento/conhecimento foi feita: pelo imaginário.

    Der Holzschnitt Rhinocerus, der unter anderen wichtigen Referenzen der deutschen Druckkunst in der Zeit der Renaissance im Zentrum unserer Studien stand, nimmt seinen Anfang 1515 mit der Ankunft des ersten lebenden Nashorns seit dem 3. Jahrhundert in Europa. Das exotische Geschenk des Sultans Muzafar II. an den König Dom Manoel I. in Portugal erzeugte wegen seines Aussehens eine Menge Aufregung und Neugier. Es war riesengroß, schwer, hatte ein Horn, dunkle, gehärtete und gesprenkelte Haut. Das Nashorn wurde in Lissabon und Umgebung vorgeführt, in einem der Wachtürme des Turmes von Belém und im Kloster Alcobaça, in dessen Klausur es als Wasserspeier bis heute zu sehen ist. Im selben Jahr wurde das Tier dann als diplomatische Geste des portugiesischen Königs nach Italien zu Papst Leo X. verschifft. Das Schiff sank jedoch und das Tier überlebte die Reise nicht.
    Albrecht Dürer lernte den Dickhäuter also nie kennen. Er gestaltete seinen Holzschnitt nach einem Brief aus Portugal an einen Freund in Nürnberg, wo auch Dürer lebte. Die Nachricht, auf die er Zugriff hatte, enthielt eine Skizze und eine kurze Beschreibung des Nashorns:
    Im Mai des Jahres 1515 nach Christus überbrachte man dem mächtigen König von Portugal, Manuel, in Lissabon ein aus Indien kommendes lebendes Tier, das man Nashorn nannte. Hier findet sich seine gesamte Figur gezeichnet. Das Tier hat die Farbe einer gesprenkelten Schildkröte, ist enorm gewichtig und überdeckt mit Schuppen. Es hat die Größe eines Elefanten, aber etwas niedriger, und ist sehr gut in der Lage, sich zu verteidigen. Auf dem vorderen Teil der Schnauze hat es ein spitzes und starkes Horn, welches das Tier schärft, sobald es auf steinigen Boden trifft. Das grobe Tier ist ein Todfeind des Elefanten, welcher vor ihm eine höllische Angst hat. Wenn es sich nähert, rennt das Tier und rammt seinen Kopf zwischen die Vorderläufe des Elefanten, wogegen dieser sich nicht wehren kann. Da das Tier so gut bewaffnet ist, bleibt dem Elefanten nichts zu tun. Das Nashorn reißt ihm den Bauch auf und gibt ihm somit sein Ende. Man sagt auch, das Nashorn sei gewandt, fröhlich und sanft. (Übersetzung der Bildüberschrift, die im Original auf Deutsch auf dem Holzschnitt von Albrecht Dürer erscheint.) (Kurth, 1927, p. 35).

    Anhand der Zeichnung und der Erzählung stellte sich Dürer das Nashorn vor und druckte es für die Nachwelt. Einmal gedruckt, das Bild misst lediglich 21,4 x 29,8 cm (Exemplar der 1. Ausgabe befindet sich British Museum/London), verbreitete es sich rasant, gewann ein Eigenleben und wurde später in verschiedenen Büchern vervielfältigt. Über zwei Jahrhunderte diente diese Abbildung in Büchern der Naturgeschichte als Quelle zoologischer Studien, unabhängig von den vielen Unkorrektheiten bei der wissenschaftlichen Darstellung. Der starke Eindruck des Bildes begründet sich durch die Art und Weise, durch die das Geschehene und das Wissen weitergegeben wurden: durch die Vorstellungskraft.

    Sumário

    Sumário | Inhaltsangabe

    Exposição Internacional de Arte Impressa Deambulações:
    Entre Gravuras e Rinocerontes

    Internationale Druckgrafik-Ausstellung Streifzüge:
    Zwischen Druckgrafik und Nashörnern

    Artistas | Künstler

    Alejandro Scasso
    Alicia Candiani
    Cecilia Mandrile
    Eduardo Haesbaert
    Enrique Leal
    Helena Kanaan
    Helio Fervenza
    Lilian Amaral
    Marcia Sousa
    Maria do Carmo Veneroso
    Maristela Salvatori
    Miriam Tolpolar
    Ottjörg A.C.
    Paula Almozara
    Paulo Chimendes
    Rafael Gil
    Samir Assaleh
    Sandra Rey
    Núcleo de Arte Impressa


    Seminário Internacional de Arte Impressa
    Gravura, Palavra, Imaginário

    Internationales Druckgrafik-Seminar
    Druckgrafik, Wort, Imagination

    Palestrantes | Referenten


    Alicia Candiani
    Andréia Oliveira
    Elke Anna Werner
    Enrique Leal
    Helena Kanaan
    Lilian Amaral
    Lurdi Blauth
    Maria do Carmo Veneroso
    Maristela Salvatori
    Paula Almozara
    Rafael Gil
    Samir Assaleh

     

     

Quer receber nossas novidades? Deixe aqui o seu e-mail.

Pesquisa

Editora Libretos

CNPJ 81.249.727/0001-09
Rua Peri Machado 222 | Bloco B | 707 | Porto Alegre | RS | CEP 90130-130
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(51) 3233-3804 | (51) 99355-4456

2020 © Editora Libretos